O Áudio nos Games: Uma Reflexão

Fala Joystickers, tudo certo?

O áudio é essencial para uma experiência memorável ao se jogar um game. Imagem: Q36 Games

Estava caçando referências para este texto, e encontrei o excelente artigo de Mauricio Ruiz para o Q36 Games, Por que o som é uma área sub-valorizada nos games?, em que ele discorre sobre a importância que o som tem não apenas no âmbito dos videogames, como também de filmes e outras produções de entretenimento em geral. A partir disso, quero estender com vocês a discussão, dessa vez focando completamente no áudio para games, e em como essa é uma área extremamente relevante, que os desenvolvedores devem dedicar carinho e atenção.

O áudio é, por diversas vezes, esquecido por nós, que o deixamos passar despercebido. É muito comum discutirmos sobre a qualidade gráfica de um jogo, sobre como ele é divertido, os desafios, a narrativa, e acabamos deixando de lado esse aspecto de grande importância. É por meio do áudio que a imersão no mundo de um jogo é completa, e não me refiro somente a músicas, mas também a efeitos sonoros e a sons ambiente que os desenvolvedores devem colocar para que a experiência seja de fato completa.

Para exemplificar o que estou dizendo, veja o gameplay abaixo. Primeiro escute-o com o som, e depois sem. O que você percebe?

O som ambiente que foi desenvolvido é o que permite que você se sinta de fato imerso dentro daquele mundo tão bem construído, que não valeria de nada caso não houvesse um bom trabalho de áudio por trás.

Por mais estranho que possa parecer, também é por meio do áudio que você percebe quais os materiais que compõem os locais e objetos pelos quais você passa. Preste atenção agora no som dos passos do protagonista, e note como, por meio do som, você percebe a diferença da composição do solo.

Note também como o áudio é importante no feedback, a resposta que o jogo te dá para cada ação feita por você. Ainda no vídeo acima, fazendo o mesmo processo de ouvir com e sem áudio, a percepção que você, leitor, tem do impacto é completamente diferente quando aquele barulhinho de lâmina cortante chega até seus ouvidos. O feedback sonoro é parte importante do planejamento do game. Quando um desenvolvedor planeja o gameplay do jogo, esse feedback também deve estar planejado. Sem ele, o jogador fica sem uma parte do retorno de suas ações, e o impacto originalmente planejado para aquela ação fica incompleto.

Além de tudo isso, a música também desempenha um papel importante na composição do sentimento que quer ser passado em determinado momento. É através dela que momentos de tensão, de calma, de alegria, de tristeza e muitos outros ganham profundidade. Preste atenção em como não há presença de qualquer música durante o momento de exploração. No entanto, essa situação muda no momento em que o protagonista entra em combate – uma música intensa, rápida, grave começa a tocar, gerando toda a tensão necessária para tornar o momento memorável.

Alguns títulos dão uma atenção ainda mais especial ao áudio, de acordo com a experiência que pretendem trazer ao jogador. O título mais recente e mais impactante a fazer isso foi Hellblade: Senua´s Sacrifice, que Mauricio chega a citar em seu artigo. Nele, você controla Senua, numa misteriosa jornada por Helheim, o submundo na mitologia nórdica, que inspira todo o universo do jogo. O ponto principal nessa jornada é a linha tênue entre o que é real, e o que é projetado pela mente conturbada da protagonista. O primeiro indicativo disso são as vozes que constantemente narram, incentivam ou desencorajam as ações que a jovem guerreira realiza.

Como dito anteriormente, tudo foi devidamente planejado. A ideia para o trabalho aplicado no áudio de Hellblade é imergir o jogador dentro da mente da protagonista. Diversas técnicas foram utilizadas para que essa experiência pudesse ser realizada, sendo o uso de Áudio 3D, com microfones que captam em 360º, a principal delas. Somado a isso, a atuação dos dubladores também foi essencial para a experiência idealizada pelos desenvolvedores. Destaque para a atuação de Melina Juergens, que interpretou Senua. É simplesmente fascinante a forma como Melina se entregou ao papel. Essa combinação de excelente trabalho de áudio e atuação rendeu ao jogo três prêmios no The Game Awards 2017 – Jogo de Impacto, Melhor Design de Áudio e Melhor Atuação.

Muitos dizem que um bom áudio para games é aquele que você não percebe, que se sente imerso o suficiente para não notar músicas e efeitos sonoros. De fato, o ideal é que seus jogadores não percebam – isso indica que seu áudio está muito bem trabalhado, uma vez que seu público está completamente imerso dentro do game. Mas, como uma sugestão deste que vos escreve, comece a prestar atenção nos pequenos detalhes dos games que você joga. Perceba a forma como o game te passa o impacto de seus ataques, os seus passos, e a ambientação por meio dos sons. Muito esforço e suor são dedicados para que você, leitor, tenha a melhor experiência possível. Minha intenção ao escrever este artigo foi justamente chamar sua atenção para essa área por vezes muito injustiçada. A área de áudio é bastante complexa, e poderíamos estender ainda mais nossa discussão. Para encerrar, deixo com você o tema de batalha de Persona 5, um dos melhores jogos do ano, com uma trilha sonora espetacular, e que definitivamente se encontra no meu top 5. Até a próxima!

Compartilhe!

Post Author: Renan da Silva Dores

Renan é um desenvolvedor de jogos recém-formado pela PUC-SP, e joga desde que se entende por gente. Tem mais afinidade pelos exclusivos da Sony, mas se tivesse dinheiro o suficiente, teria todas as plataformas sem pensar. Ama ler, ouvir música, e é um aficionado por tecnologia, sendo secretamente um replicante (Cyberpunk na veia). Atualmente, está na quest de encontrar um emprego.

5 thoughts on “O Áudio nos Games: Uma Reflexão

    Felipe

    (13 de dezembro de 2017 - 15:19)

    Algumas coisas que você citou ai é usada por deficientes visuais, que tem que usar outros meios que não seja a visão para saber onde está indo, o que tem próximo ou se tem pessoas próximas.
    Como sons de passos por exemplo, com isso da pra um DV saber em que está pisando, ou se pessoas caminham próximas, e se param, porque param? escutam sons de veículos pra saber se um farol está aberto ou fechado, sons nos games com certeza são essenciais sim,
    principalmente em jogos de mundo aberto.
    Ainda, não adianta se uma desenvolvedora quiser fazer um jogo realista se não usar sons ambientes, e se quiser passar a emoção pros jogadores sem usar músicas, e claro usar uma boa OST pra chamar atenção.

    Caio de Castro

    (13 de dezembro de 2017 - 17:01)

    Excelente postagem! Com certeza vou prestar mais atenção nos detalhes sonoros nas minhas jogatinas.

    Herbert Viana

    (13 de dezembro de 2017 - 21:18)

    São esses pequenos detalhes que diferem os jogos dos grandes jogos (em termos de produção artística). Excelente texto!

    Mauricio Ruiz

    (13 de dezembro de 2017 - 23:38)

    Olá, Renan! Fico feliz que meu artigo no Q36 esteja dando frutos. Sendo um sound designer e compositor musical pra games, acho essencial essa discussão, não só na área de desenvolvimento de games, mas também entre os consumidores.

    Abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *